Marca Maxmeio

Postado às 12h02 CulturaDestaque Nenhum comentário

24ª Fiart: final do Festival de Danças Folclóricas e Parafolclóricas acontece hoje.

Redação/Portal de notícias e fotojornalismo Natal/eliasjornalista.com

Hoje, às 19h, acontece a grande final do 17º Festival de Danças Folclóricas e Parafolclóricas na programação cultural da 24ª Feira Internacional de Artesanato (FIART). O festival tem o objetivo de promover o resgate das raízes culturais nordestinas. Na categoria folclóricos foram classificados os grupos Boi Pintadinho de Pedro Velho/RN e Congos de Combate de São Gonçalo do Amarante/RN; na categoria parafolclórico foram classificados o Grupo Eita de Projeções Folclóricas de Joao Pessoa/PB e a Companhia de Dança Xaxado, de Parnamirim/RN.

Os dois grupos com as melhores pontuações nas duas categorias foram classificados para a final. A comissão julgadora, composta por três membros representantes da Associação Norte-rio-grandense de Folclore, Fundação José Augusto e Teatro Alberto Maranhão, avaliou itens da apresentação como: figurino, música, adereços, performance e harmonia.  Os vencedores receberão premiação em dinheiro (mil reais para a primeira colocação e 500 reais para o segundo colocado), certificados e troféus.

Ao todo, 13 grupos participaram do festival nessa edição que faz uma homenagem à desenhista, pintora, atriz, escritora, diretora e coreógrafa de São Gonçalo do Amarante, Séphora Bezerra.

O festival reúne grupos do Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará que mostram um pouco da cultura da região Nordeste do Brasil por meio de expressões tradicionais como o Boi, Caboclinho; Xaxado; Pastoril e Capoeira.

Prêmio Vitrine Fiart

Com o objetivo de incentivar o talento, a criatividade e a qualidade do trabalho dos artesãos potiguares, a Feira promove o Prêmio Vitrine Fiart. Em sua 9ª edição, a premiação é uma iniciativa para estimular o artesão norte-rio-grandense a investir cada vez mais na qualidade do seu trabalho e a população a participar ativamente do evento, já que a escolha dos vencedores é feita pelo público.

Estão sendo avaliadas pelo público que visita a Fiart 18 peças de artesãos potiguares de várias regiões. Os trabalhos foram selecionados pelo curador do prêmio e técnico do Proart, Domingos Sávio. Os três primeiros colocados receberão premiação em dinheiro e certificado. A entrega da premiação acontece neste sábado (2). As peças serão doadas para o acervo do Governo do Estado.

Programação cultural 24ª Fiart:

 Sábado – 2 de janeiro

17h30 cortejo: Trio de Forró Santa Maria

18h – Apresentações culturaisTuareg Kasa do Oriente (Danças orientais)

19h17º Festival de Danças Folclóricas e Parafolcloricas – Homenagem a Mestra Séphora Bezerra:

Finalistas Grupos Folclórico:  Boi Pintadinho – Pedro Velho/RN e Congos de Combate de São Gonçalo do Amarante/RN

Finalistas Grupos Parafolclóricos:  Grupo Eita de Projeções Folclóricas de Joao Pessoa/PB e Companhia de Dança Xaxado, de Parnamirim/RN.

20h30 – Apresentação do Grupo Pastoril Dona Joaquina – São Gonçalo do Amarante

Resultado e a entrega da premiação do 17º Festival de Danças Folclóricas e Parafolcloricas

Entrega da premiação do Prêmio VITRINE

21h – Show: Reinaldo Azevedo e Banda Anos 60

 Domingo – 3 de janeiro

17h – Estúdio de Dança Soraya Lima /Parnamirim/RN

17h30 – Cortejo: A arte do Circo

18h – Apresentações culturais: Cia de Danças Balão Dourado; Grupo de Dança VIDART; Grupo Raízes do Agreste – Espírito Santo/RN; Grupo Cultural Lar Fabiano de Cristo

20h – Show: Joãozinho (Banda Kairos)

A Fiart, organizada pela Espacial Eventos, é realizada com o apoio do Governo do Estado, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do RN – Sebrae – e Prefeitura do Natal. Outras informações e fotos estão disponíveis no site www.feirafiart.com.br

SERVIÇO:

24ª Feira Internacional de Artesanato – FIART

Quando: 25 de janeiro a 3 de fevereiro de 2019

Local: Centro de Convenções de Natal

Hora: a partir das 16h

Entrada: R$ 10,00 e R$ 5,00 (estudantes e idosos)

Sobre Sephora Bezerra

Sephora Maria Alves Bezerra nasceu no dia 16 de junho de 1961 no Centro de São Gonçalo do Amarante, RN. Foi a primeira de 10 filhos do casal Antônio Marcel de Melo Bezerra e Damiana Alves Bezerra.

Nascida numa família de artistas e professores, desde cedo foi envolvida nos trabalhos culturais de sua cidade. Desenhista, pintora, poeta, atriz, escritora, diretora e coreógrafa, ainda na adolescência, fundou o grupo UDC junto com os amigos e a Igreja Matriz do Município, tendo como meta evangelizar através das artes, principalmente o teatro. Começou aí com a tradicional encenação da Paixão de Cristo na Cidade. Mais tarde o grupo UDC se tornaria o TESGA (Teatro de São Gonçalo do Amarante).

Como atriz, protagonizou personagens marcantes no teatro de sua cidade natal. Lançou o livro “Retrato em Preto e Branco” junto com o amigo Locha em 1993. Também cooperou com sua mãe no Pastoril da Escola Estadual Dr. Otaviano e em outras coreografias no grupo de danças e dramas que sua mãe também havia criado, com destaque para a “Aquarela do Brasil” – um sucesso absoluto em todo Estado no final da década de 70 e início de 80.  Muito inteligente e estudiosa, falava também inglês, espanhol, italiano e alemão. Mestra em Filosofia e especializada em Mística Medieval, foi palestrante em alguns seminários e conferências dentro e fora do país, e seus artigos publicados em revistas e livros ao redor do mundo, em vários outros idiomas.

Em 2004, juntamente com seus irmãos, fundou o grupo folclórico Pastoril Dona Joaquina e o Balé Popular Dona Joaquina (para outras intervenções e estudos culturais nas danças da região). O Pastoril surgiu como um legado familiar construído durante vários anos pela avó paterna Jéssica Débora nas Lapinhas/Pastoril Religioso da Igreja Matriz.

O Pastoril Dona Joaquina tornou-se referencial, como também o mais conceituado Pastoril do Brasil na atualidade, devido a sua visão de unir o antigo e o novo – mudança que funcionou e manteve a essência original com danças mais ágeis e elaboradas, fortalecendo a visão de alcançar e atrair os jovens, despertando neles interesse pela história e cultura regional.

O Grupo foi tese para mestrados e doutorados em várias Universidades do país. Em 2011, o Pastoril Dona Joaquina, sob o comando de Shephora, foi o grupo homenageado pelo Festival Nacional de Folclore em Olímpia/SP, juntamente com o Estado do Rio Grande do Norte. Séphora tornou-se uma das mais atuantes figuras defensoras da cultura potiguar pelo Brasil.

Mãe biológica de um único filho, Fernando Henrique Bezerra da Cunha, de seu segundo casamento. Por sua dedicação e cuidados, era considerada a segunda mãe por muitas pastorinhas e integrantes do grupo. Seus incentivos para o estudo impulsionaram vários brincantes a estudarem e concluir graduação universitária. Uma visão muito maior que só uma brincadeira folclórica, ou um passatempo cultural; mas uma construção social fundamentada na história comunitária comprometida com o futuro. Ela faleceu em 27 de janeiro de 2016, em Natal, vítima de câncer.     *Com informações de Ricardo Bezerra – irmão da homenageada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − seis =