Marca Maxmeio

Postado às 18h02 CulturaDestaque Nenhum comentário

Entrega premiação Eita de Projeções Folclóricas de João Pessoa por Fábio Borges da Inter TV Cabugi

Alexandre Santos primeiro colocado na categoria cultural e Neiwaldo Guedes – concurso de fotografia.

Redação/Portal de notícias e fotojornalismo Natal/eliasjornalista.com

A 24ª Feira Internacional de Artesanato (Fiart) foi encerrada neste domingo (3) com o público participante, expositores e visitantes, elogiando e aprovando o novo pavilhão do Centro de Convenções. Para o artesão Élcio Pereira, que há 9 anos vem de Brasília (Distrito Federal) para expor suas flores do Cerrado na feira, a realização nesse novo espaço foi uma iniciativa muito boa para os artesãos, tanto do Rio Grande do Norte como do Brasil e até de outros países.

“A aquisição desse novo espaço foi muito boa para os artesãos. Até o pessoal que está frequentando a feira tem elogiado também porque tem mais conforto e mais acesso, tanto para as pessoas idosas quanto para deficientes físicos, agora tem um acesso mais favorável. Estou muito feliz com a nova conquista, com a nova aquisição”, apontou.

Segundo Neiwaldo Guedes, organizador da Fiart, essa foi uma das melhores edições da Fiart e o Governo do Estado foi fundamental para realização da feira no local e, consequentemente, para o sucesso do evento. “A participação do público foi expressiva”, aponta.

Há 24 anos participando da feira trazendo iguarias da região Sul do Brasil como chocolates de Gramado, queijos, salaminhos, além de vinhos e suco de uva integral, Luís Carlos, afirma que a feira ficou muito bem organizada e que para ele foi bem melhor que a edição anterior.

A servidora pública Marize Tavares, que veio quatro vezes à Fiart esse ano, também elogiou o novo espaço. “A mudança de local foi radical. Aqui está maravilhoso. Chamou minha atenção o artesanato, que está belíssimo, a distribuição dos estandes, a praça da alimentação, gostei muito. Eu viria até mais vezes, se tivéssemos mais 15 dias de feira”, concluiu.

A programação de encerramento contou com apresentações culturais do Estúdio de Dança Soraia Lima; Grupo Vidar’t; Lar Fabiano de Cristo e Raízes do Agreste e show do cantor Joaozinho.

Entrega premiação 17 Festival de Danças Folclóricas e Parafolclóricas.

Grupos de Parnamirim e Pedro Velho vencem 17º Festival de Danças Folclóricas e Parafolclóricas da 24ª Fiart

 No sábado, foram conhecidos os ganhadores do 17º Festival de Danças Folclóricas e Parafolclóricas da 24ª Feira Internacional de Artesanato (FIART). O festival tem o objetivo de promover o resgate das raízes culturais nordestinas. Os vencedores receberam premiação em dinheiro (mil reais para a primeira colocação e 500 reais para o segundo colocado), certificados e troféus.

Antes da premiação, porém, os integrantes do Pastoril Dona Joaquina fizeram uma bela apresentação em homenagem à criadora desse tradicional grupo de pastoril de São Gonçalo do Amarante, Sephora Bezerra.

Em seguida, foram anunciados os vencedores do festival. Na categoria folclórico o 1º colocado foi o Boi de Reis Pintadinho do distrito de Cuité, no município de Pedro Velho; a segunda posição ficou com o grupo Congos de Combate de São Gonçalo do Amarante. Na categoria parafolclórico, os vencedores foram, em primeiro lugar, a Companhia Dança Xaxado de Parnamirim, e na segunda colocação o Grupo Eita de Projeções Folclóricas, de João Pessoa/PB.

Segundo André Batista, diretor de projetos culturais da Fundação Parnamirim de Cultura, o espetáculo apresentado é um recorte das três apresentações do grupo ao longo de 15 anos de existência. Ele ressalta que é uma premiação importante para revigorar as energias do grupo e a autoestima de cada componente. Afirma ainda que a realização do festival permite o resgate da cultura. “O evento traz essa importância da divulgação do nosso trabalho. Para nós, que trabalhamos com cultura popular, tanto parafolclórica quanto folclórica, é importante nesse sentido de manter vivo do folclore brasileiro”, concluiu.

Para Marcos Teixeira, coordenador do grupo Boi de Reis Pintadinho, o festival é uma vitrine para mostrar o trabalho do grupo, que já é reconhecido pela sua autenticidade. “Nosso grupo de Boi de Reis é considerado o mais autêntico no Brasil por estudiosos e conhecido como patrimônio vivo da cultura brasileira. Esse festival é uma vitrine muito importante para o nosso grupo”, apontou. O auto do Boi de Reis de Cuité, comunidade rural do município potiguar de Pedro Velho, completa 119 anos em 2019.

Durante a solenidade de entrega da premiação, Neiwaldo Guedes, organizador da Feira, ressaltou a importância do festival para a preservação das tradições nordestinas e agradeceu a participação dos 13 grupos que se apresentaram e dos jurados pela contribuição.

“Vocês abrilhantaram esse evento.  Vocês trouxeram vida e calor humano a esse evento. Por onde passo as pessoas falam da qualidade das apresentações que tivemos aqui nesse palco. Apresentações que poderiam ser realizadas em qualquer lugar, em qualquer palco de um evento como esse ou em qualquer outro do Brasil e de outros países porque o nível foi muito alto, muito elevado”, disse.

Ele apontou ainda que o intuito do Governo do Estado, com o apoio ao evento, e da organização da feira é estimular a cultura, o artesanato e, naturalmente, premiar o potiguar, o norte-rio-grandense com um evento desse nível, dessa qualidade, associando também ao turista que participa porque na Feira encontra cultura, turismo e artesanato. “A premiação é também o momento para agradecer aos artistas, ao público que tem prestigiado o evento e a InterTV Cabugi pelo apoio na divulgação do festival”, concluiu.

Ao todo, 13 grupos do Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará participaram do festival, mostrando um pouco da cultura da região Nordeste do Brasil por meio de expressões tradicionais como o Boi de Reis, Caboclinho; Xaxado; Pastoril e Capoeira.

Representando a governadora Fátima Bezerra, a titular da Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas), Iris de Oliveira, saudou os grupos que se apresentaram e enriqueceram a Fiart e ressaltou o empenho e a dedicação do organizador da Fiart, Neiwaldo Guedes, pela organização do evento ao longo desses 24 anos. Destacou ainda que a feira tem crescido e que já entrou no calendário do turismo do Rio Grande do Norte.

“Aqui passa, não apenas o artesanato potiguar, mas também o artesanato nacional e eu acho que esse momento do festival é um acerto muito grande da Fiart. Um momento que traz para dentro de uma feira de artesanato uma dimensão da cultura que é muito importante que é o folclore para preservar nossas raízes, preservar a história, construir a cultura, oferecer e assegurar oportunidade para que àqueles que fazem a cultura possam se apresentar e mostrar a sua arte e, principalmente, possam dar a sua contribuição para que a cultura e a arte no nosso estado e no Brasil possam crescer, possam se firmar”, concluiu.

Participaram da comissão julgadora do 17º Festival de Danças Folclóricas e Parafolclóricas: Paulo Varela, representando a Comissão Norte-rio-grandense de Folclore; Bruno Borges, a Fundação José Augusto e Wannie Rose, representando o Teatro Alberto Maranhão.

Público participa do Concurso de Fotografia

A entrega da premiação para os vencedores do concurso de fotografia promovido pela 24ª Fiart aconteceu neste domingo (3).  Foram escolhidas as 10 melhores fotos em cada uma das categorias: exposição e cultural, produzidas pelo público e registradas de câmera profissional ou celular, durante a Feira e postadas na rede social Instagram. Todos os participantes selecionados receberam certificado. Já os três primeiros colocados receberam certificado, premiação em dinheiro e em serviços gráficos.

As 20 imagens vencedoras, escolhidas por uma banca de especialistas formadas pelos fotógrafos Henrique José, Canindé Soares e Pablo Pinheiro, foram impressas e expostas na galeria da Feira. Participaram do concurso 267 pessoas.

Os vencedores na categoria exposição foram: 1° Everaldo Leocadio
2° John Nascimento; 3° Paulo Ricardo; 4° Karollina Medeiros; 5° José Aldenir
6° Luiz Dias; 7° Endy Mahara; 8° Victor Silva; 9° Erica Lima e 10° Matheus Neves. Na categoria cultural: 1° Alexandre Santos; 2° Walmir Queiroz; 3° Viviane Thierre; 5° François Katrine; 6° José Aldenir; 7° Luiz Dias; 8° Francisco Anthony; 9° Erica Lima e 10° Paulo Ricardo.

 

Aldo Rodrigues, Salmira Torres e Neiwaldo Guedes – Prêmio Vitrine Fiart.

A “Rendeira”, do escultor Ednaldo Santiago, vence Prêmio Vitrine Fiart

Na programação deste domingo que encerrou a 24ª Fiart também aconteceu a entrega da premiação aos vencedores da 9ª edição do Prêmio Vitrine Fiart – que visa estimular o artesão norte-rio-grandense a investir mais na qualidade do seu trabalho, como também estimular a população a participar ativamente do evento, já que a escolha dos vencedores é feita pelo público.

Com a escultura em argila “Rendeira”, o artesão Ednaldo Santiago foi o grande vencedor. Muito emocionado por ganhar o prêmio com uma peça bastante simbólica para sua família e o seu pai, o escultor Etevaldo Santiago, já falecido, que teve a mulher rendeira como carro-chefe de sua obra e venceu a premiação por três vezes, Ednaldo disse que o prêmio é muito importante para o reconhecimento do seu trabalho, ao qual ele tanto se dedica para manter a tradição do trabalho de esculpir em argila. O segundo colocado foi o artesão Aldo Rodrigues, com o “Oratório de Nossa Senhora do Rosário”, em argila e madeira, e o terceiro lugar ficou com o artesão Edilson Carneiro, com a escultura “Tanque de Guerra”, produzida com sucata.

Um total de 18 peças de artesãos potiguares de várias regiões foram avaliadas pelo público que visitou a Fiart. Os trabalhos foram selecionados pelo curador do prêmio e técnico do Programa Estadual do Artesanato (Proart), Domingos Sávio. Os três primeiros colocados receberam premiação em dinheiro, troféu e certificado.

De acordo com Neiwaldo Guedes, organizador do evento, os visitantes escolheram avaliando o grau de dificuldade do material utilizado, a qualidade e, naturalmente, a beleza das peças. Ele disse que, pela qualidade dos trabalhos, o público certamente teve dificuldade de escolher diante de tantas peças bonitas. “Nosso artesanato cada ano tem se superado, nosso artesanato vem evoluindo cada vez mais. E a nossa intenção é justamente estimular a cultura, a arte, e a fotografia, que também é uma arte”, afirmou.

Para Salmira Torres, coordenadora do Proart, a premiação é uma forma de conhecer e reconhecer a valorização de cada artesão na qualidade e no acabamento de cada peça. “Estamos premiando a capacidade e a criatividade de produzir dos nossos artesãos”, finalizou.

A Fiart, organizada pela Espacial Eventos, é realizada com o apoio do Governo do Estado, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do RN – Sebrae – e Prefeitura do Natal. Outras informações e fotos estão disponíveis no site www.feirafiart.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + cinco =