Marca Maxmeio

Postado às 08h08 DestaqueFotografia Nenhum comentário

20 anos da Estação Científica do Arquipélago São Pedro e São Paulo com exposição de Canindé Soares no Espaço Cultural da Justiça Federal. (Foto: Canindé Soares).

Redação/Portal de notícias e fotojornalismo Natal/eliasjornalista.com

Em 2018, a Marinha do Brasil e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) comemoram os 20 anos da implantação da Estação Científica do Arquipélago de São Pedro e São Paulo (ECASPSP), que desde 1998 propicia ao país o acréscimo de 450 mil quilômetros quadrados à sua Zona Econômica Exclusiva e a posse de uma região de elevado potencial para pesquisas científicas.

O Espaço Cultural da Justiça Federal do RN, alusivo ao feito, recebe a exposição do fotógrafo Canindé Soares, de 15 a 30 de agosto, com belíssimas imagens registradas no Arquipélago. Canindé embarcou em missão da Marinha do Brasil no navio-patrulha Araguari. Conjunto de ilhas fica a 1.000 quilômetros do litoral do Rio Grande do Norte. Único conjunto de ilhas oceânicas brasileiras acima da linha do Equador.

HISTÓRICO

Há pouco mais de duas décadas, um conjunto de ilhas próximo à linha do Equador era frequentado somente por atobás, viuvinhas, atuns, cavalas, peixes-voadores, entre outras espécies da fauna. Posteriormente, recebeu a visita de um dos primeiros cientistas a estudar o local: Charles Darwin, naturalista inglês, autor da Teoria da Evolução, em 1832, a bordo do “HMS Beagle”.

As baixas altitudes e pequenas dimensões tornaram o local um ponto crítico para a navegação, pois as ilhas são de difícil detecção a olho nu, principalmente em condições adversas de luz e de tempo, o que veio a provocar alguns naufrágios ao longo da história.

O primeiro e mais famoso deles foi o que deu origem ao descobrimento do Arquipélago, ocorrido com a nau portuguesa São Pedro, em 1511, comandada pelo Capitão Manuel de Castro Alcoforado, que se desgarrou da armada que partiu de Portugal, naquele mesmo ano, a qual se dirigia às Índias, e veio a se chocar com os rochedos. O socorro à referida nau teria sido realizado por outra da mesma frota, chamada “São Paulo”. Daí a origem do nome “São Pedro e São Paulo”.

O primeiro registro daquela remota região em mapa, data de 1529, e sua posse pelo Brasil jamais foi contestada. Atualmente a área está cada vez menos inóspita e tem se tornado estratégica para o Brasil nos aspectos político, econômico e científico, além de ter proporcionado um alargamento no limite da fronteira brasileira.

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA
20 anos – Estação Científica do Arquipélago de São Pedro e São Paulo

15 a 30 de agosto
Segunda a sexta, 09h às 17h
Espaço Cultural JFRN
Justiça Federal RN – Rua Dr. Lauro Pinto, 245, Lagoa Nova – Natal/RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 18 =