Marca Maxmeio

Postado às 22h06 CidadeDestaque Nenhum comentário

Aprovado projeto para implantação de internet gratuita nas praças. (Foto: Marcelo Barroso).

Redação/Portal de notícias e fotojornalismo Natal/eliasjornalista.com

As praças, o centro da Cidade Alta e o bairro do Alecrim, assim como toda a orla marítima de Natal, deverão dispor de internet gratuita (wi-fi). A autorização para o Executivo fazer a implantação está no Projeto de Lei 092/17, de autoria do vereador Luiz Almir (AVANTE), aprovado na sessão ordinária desta terça-feira (12). Os vereadores também aprovaram a implantação dos programas “Remédio Perto” e  “Jovem Aprendiz”.
Para propor a implantação de internet nas praças, que foi subscrita pelos vereadores Fernando Lucena (PT), Franklin Capistrano (PSB), Klaus Araújo (SD) e Ary Gomes (PDT), o vereador Luiz Almir disse que conversou antes com o chefe do Executivo Municipal, que lhe deu garantias de que é possível concretizar o apelo. “Conversei com o prefeito anterior e com o atual que disse que eu apresentasse o projeto que é de longo alcance social. Natal está atrasada no processo de inclusão digital e esse direito não pode ser apenas dos ricos”, argumentou o parlamentar.
Na mesma sessão também foram aprovados dois projetos que instituem programas. O de nº  037/18, da vereadora Eudiane Macedo (PTC), subscrito pela vereadora Júlia Arruda (PDT), cria o Programa “Jovem Aprendiz”. E o de nº 058/17 do vereador Aroldo Alves (PSDB), institui o “Programa Remédio Perto” na rede pública municipal de saúde. “Isso é para trazer para as pessoas mais carentes o direito de receberem seus medicamentos em qualquer unidade de saúde e não apenas no seu bairro”, explicou o autor.
Já o Projeto de Resolução nº 015/18, da vereadora Júlia Arruda (PDT) e subscrito pela vereadora Carla Dickson (PROS), torna obrigatória a sinalização tátil, pelo Sistema Braile, em todas as dependências da Câmara Municipal. “O cego que vier aqui poderá ter a devida acessibilidade para transitar nas dependências da Câmara. Presido a comissão permanente da pessoa com deficiência e temos observado essa necessidade. Temos que dar o exemplo com as adaptações necessárias no prédio da Câmara”, destacou Júlia Arruda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 16 =